Header Ads Widget

Brasil registra 1.800 mortes por covid: "Desastre sanitário", diz fundador da Anvisa







No último período de 24 horas monitorado pelo Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), o Brasil registrou exatas 1.800 novas mortes de covid-19.

A doença provocada pelo coronavírus já deixa 262.770 vítimas no país desde o início da pandemia, em março.

A semana chega ao fim como a mais letal de todo o histórico, com total descontrole da disseminação do vírus e a ausência de articulação nacional para seu enfrentamento.

Também foram 75.495 novos casos no período, somando um total 10.896.227 brasileiros já infectados desde março de 2020.

Embora o Brasil ainda seja o segundo país mais afetado pelo vírus no mundo em número de mortos, atrás apenas dos Estados Unidos, hoje é o epicentro da crise global.

O pior momento da crise da covid-19 no Brasil segue cada vez mais intenso e especialistas temem o pior para as próximas duas semanas pelo menos.

“Sócio do vírus”

Isso, sem contar ampla subnotificação, já que o país é dos que menos testa sua população. Junto a isso, também não há rastreio de contágio e outras medidas para controle da disseminação do vírus.

Ambos são fatores que expõem a absoluta ausência de uma política de enfrentamento à pandemia por parte do governo de Jair Bolsonaro.

Ao contrário, o presidente atua como “sócio do vírus”, nas palavras do sanitarista Gonzalo Vecina, uma das maiores autoridades do país sobre o tema e fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O vírus tem um sócio muito forte. Esse sócio tem um projeto de destruição pela frente e está alcançando seus objetivos. A sensação que tenho é que não estamos sabendo comunicar que estamos vivendo um desastre sanitário. Do ponto de vista do número de mortos já ultrapassamos a importância da Gripe Espanhola”, disse Vecina, durante debate promovido nesta tarde pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fespsp).

Risco ao mundo

Tudo que Bolsonaro fez em relação à pandemia foi promover e incentivar aglomerações, além de divulgar mentiras sobre o uso de máscaras e vacinas.

Trata-se do único líder do mundo civilizado a manter uma postura negacionista diante da maior crise sanitária do planeta em mais de um século.

A circulação do vírus incentivada pelo governo Bolsonaro preocupa o mundo. Periódicos internacionais apontam para os perigos da intensa circulação da covid-19 no Brasil.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) teme que o novo coronavírus, amplamente disseminado, entre em contato com pessoas vacinadas e produza variedades resistentes aos imunizantes. “É um risco à América Latina e ao mundo”, afirma a entidade.

“Se o Brasil não for sério, vai continuar a afetar toda a vizinhança lá e além. Não é só sobre o Brasil”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhenom.

Um grande número de jornais ao redor do mundo repercutem o caos brasileiro; entre eles os norte-americanos The New York Times e Washington Post O inglês The Guardian noticiou nesta sexta-feira: Cientistas se levantam para cobrar o governo brasileiro diante do fracasso na contenção da covid-19.

A comunidade internacional se mobiliza para exigir ações do governo brasileiro, que diariamente sabota as práticas sanitárias indicadas.

“A situação no Brasil é muito, muito preocupante. Quando vimos muitas tendências de queda em muitos países, nas últimas seis semanas, a situação no Brasil ou tinha aumentado ou atingido um platô – mas, é claro, com uma tendência maior de aumento. Eu acho que o Brasil tem que levar isso muito, muito a sério”, afirma Tedros.

Vacinas

Enquanto isso o Brasil segue lento na vacinação e com incertezas sobre a ampliação do programa. Enquanto governadores e prefeitos tentam negociar vacinas à revelia da falta de ações do governo Bolsonaro, apenas 1,09% da população está imunizada.

Foram aplicadas 9,7 milhões de doses, sendo que 3,49% dos cidadãos já recebeu a primeira dose. Uma taxa baixa diante do cenário global.

Postar um comentário

0 Comentários