"Não é esse o caminho", diz Moro, que abriu as portas para a ascensão do fascismo no Brasil | Reconsaj Noticias - RECONSAJ NOTICIAS

Breaking

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

sábado, 15 de julho de 2023

"Não é esse o caminho", diz Moro, que abriu as portas para a ascensão do fascismo no Brasil | Reconsaj Noticias

O ex-juiz suspeito Sergio Moro, hoje senador, que abriu as portas para a ascensão do fascismo no Brasil, com as perseguições judiciais da Lava Jato e a criminalização da política, prestou solidariedade ao ministro Alexandre de Moraes, que foi agredido por bolsonaristas no Aeroporto de Roma. "Nada justifica ataques ou abordagens pessoais agressivas contra ministros do STF ou seus familiares. Minha solidariedade ao ministro Alexandre de Moraes. Não é esse o caminho", disse Moro.

Quando conduziu a Lava Jato, Moro prendeu ilegalmente o atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para que um governo de extrema-direita, liderado por Jair Bolsonaro chegasse ao poder. Moro se tornou ministro da Justiça de Bolsonaro, mas foi rapidamente descartado por não se considerado totalmente leal ao grupo extremista. Confira o tweet do ex-juiz suspeito e saiba mais sobre o caso:

O ministro Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), enfrentou uma situação hostil em Roma, na Itália, quando foi atacado por um grupo de brasileiros no aeroporto internacional. Os agressores proferiram xingamentos e um deles chegou a agredir fisicamente o filho do ministro. Os termos utilizados pelos agressores, como "bandido", "comunista" e "comprado", são frequentemente usados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro contra membros da Suprema Corte. A Polícia Federal abriu um inquérito para investigar o caso e identificar outros possíveis envolvidos.

Após a agressão, o empresário Roberto Mantovani Filho, apontado como um dos agressores, preferiu não comentar o incidente antes de prestar depoimento à PF. Ele alegou não considerar o ocorrido algo extraordinário e afirmou que aguardará as autoridades o acusarem dos possíveis crimes cometidos. Mantovani e outro homem, Alex Zanatta Bignotto, ambos empresários de São Paulo, juntaram-se à mulher que inicialmente proferiu os xingamentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad