Aquecimento de 1,5°C pode ser alcançado já nos próximos 5 anos | Reconsaj Noticias


É praticamente certo que o mundo ultrapassará o limite de 1,5 grau Celsius de aquecimento global nos próximos cinco anos. É o que indica um novo relatório da Organização Meteorológica Mundial, que alerta também para impactos devastadores em sistemas como recifes de coral e o gelo do Ártico.

Em 2015, as chances de as temperaturas mundiais excederem, ainda que temporariamente, 1,5°C nos cinco anos seguintes, eram próximas de zero. Essas probabilidades vêm aumentando desde então, à medida que a emissão de gases de efeito estufa segue aumentando, principalmente pelo uso de combustíveis fósseis.
Consequências permanentes ainda que o aquecimento seja temporário

O mundo já está pelo menos 1,1°C mais quente do que era antes da industrialização e algumas das mudanças que podem ocorrer como resultado do aquecimento em mais de 1,5 graus Celsius podem ser permanentes, mesmo que o planeta esfrie de volta.

Um único ano de excedência acima de 1,5°C não significa que violamos o limite do Acordo de Paris, mas revela que estamos nos aproximando cada vez mais a uma situação em que 1,5°C pode ser excedido por um período prolongado.
A 1,5°C, muitos dos recifes de coral do mundo serão destruídos, e o chamado permafrost em alguns lugares pode atingir um ponto de inflexão. O permafrost é um solo “permanentemente” congelado que fica sob grande parte do Ártico, mantendo reservadas enormes reservas de dióxido de carbono. Conforme a temperatura aumenta, esse gelo derrete e o CO2 vai sendo liberado, contribuindo para o aumento dos efeitos danosos das mudanças climáticas.


Nossos oceanos continuarão a se tornar mais quentes e ácidos, o gelo marinho e as geleiras continuarão a derreter, o nível do mar continuará subindo e nosso clima se tornará mais extremo. A camada de gelo e o derretimento das geleiras no Ártico levarão ao aumento acelerado do nível do mar, que pode ser irreversível por séculos e desastroso para o planeta, à medida que os riscos de inundações extremas aumentam.
O zero líquido refere-se a um estado em que o mundo reduz ao máximo suas emissões de gases de efeito estufa e compensa as que são difíceis de evitar, seja por meio do uso de tecnologia ou do plantio de árvores para capturar dióxido de carbono da atmosfera. Se não tomarmos essa ação, teremos ondas de calor muito piores e condições de incêndios florestais, bem como recifes de coral que foram dizimados além do reconhecimento. Nossas emissões de gases de efeito estufa ainda estão em níveis quase recordes e até que reduzamos as emissões para zero líquido, continuaremos a ver o aquecimento global. Resta saber se temos capacidade orgânica e física de suportar temperaturas tão altas – e por quanto tempo…
Tem interesse em saber mais sobre meio ambiente e sustentabilidade? Conheça também o podcast do Pensamento Verde e ouça bate-papos com profissionais especialistas no tema.

Fontes: CNN | Eco Debate

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem
-- Composite Start -->