Petrópolis tem previsão de chuvas fortes até sábado e alerta para risco de novos deslizamentos


A tragédia em Petrópolis após deslizamentos que já deixaram mais de 115 mortos e ainda um número desconhecido de desaparecidos pode se tornar ainda maior. A preocupação é grande com previsões de chuva fortes pelo menos até sábado (19). O alerta para risco de novos deslizamentos subiu para muito alto.

A Defesa Civil de Petrópolis acionou 14 sirenes para alertar os moradores do primeiro distrito da cidade. Outros três alertas foram enviados mais cedo para informar a população sobre a possibilidade de pancadas de chuva, de intensidade moderada a forte, com raios e rajadas de vento forte, informa reportagem do jornal O Globo. Em 124 alertas vigentes no Brasil, Petrópolis é o único em vermelho.
Parentes começam a enterrar corpos de mortos

Um mutirão foi montado no Cemitério Municipal de Petrópolis para receber as mais de 100 vítimas da chuva. Na parte alta, onde antes havia um capinzal, vários homens ajeitam o terreno e cavam às pressas novas covas na terra. O movimento no local, que pela manhã era tranquilo, foi se intensificando a partir da tarde desta quinta-feira (17), com um sepultamento ocorrendo atrás do outro.
Por causa do local íngreme onde estão sendo cavadas as novas sepulturas, os caixões têm que ser levados nos ombros por familiares e amigos das vítimas. Segundo um funcionário do local, só hoje foram abertas 24 covas.
Uma das vítimas enterrada hoje foi Zilmar Ramos, que morreu dentro de um ônibus tragado pela força das águas na tarde de terça-feira (15), segundo conta a filha, Vitória Ramos Alves.
“Ela estava indo buscar a minha irmã, com desespero de não saber [notícias]. Foi a última vez que a gente conseguiu falar com ela. Não deu tempo de sair, quando o ônibus caiu. Ela era uma força da natureza. Ninguém parava ela. Ela abraçava e defendia todos”.
Vítima do desabamento causado pelas fortes chuvas, Débora Linstenberg, 22 anos, morreu ao lado dos dois filhos pequenos, Gustavo, 5 anos, e Heloise, 2 anos e meio. Os três foram sepultados juntos.

“Ela estava em casa com as crianças quando veio a chuva. Infelizmente não teve como socorrer eles. É uma dor que não tem palavras, perder nossos entes, nossas criancinhas. É muito triste. Só Jesus”, relatou Gerson da Silva Souza, que era cunhado de Débora.

Além das mais de 100 mortes registradas pelas autoridades locais, a Polícia Civil contabiliza ainda 134 pessoas desaparecidas na cidade.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Com informações da Agência Brasil


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem